5 Coisas que eu aprendi quando decidi que queria ser escritora

Quando eu me formei na faculdade, eu senti o alívio que todo mundo sente depois de cinco anos lutando por alguma coisa. No meu caso o que eu pensei foi:

Finalmente eu posso escrever.

Enquanto lidava com o desemprego e com a frustração de não saber o que fazer com a minha vida, eu me permiti começar a escrever e percebi que essa paixão tinha ficado guardada em um compartimento da minha cabeça durante todos aqueles anos em que eu achava que tinha que me focar só na faculdade. Então, quando me vi livre dessa parte, a escrita dominou e por mais que eu estivesse mandando currículos, eu também estava na internet procurando tudo o que eu podia sobre escrita e o que precisava para me tornar uma escritora.

Depois de dois anos eu ainda sinto que não sei nada sobre ser uma escritora, mas eu aprendi algumas coisas lendo quase todos os blogs na internet e tendo altas crises existenciais, e eu tentei resumí-las em 5 tópicos, por que tudo fica mais legal quando colocado em 5 tópicos.

1. É importante não estar sozinho

Escrever pode ser um trabalho solitário, só você, a folha em branco e o mundo que você criou.  A gente acaba conversando mais com nossos personagens do que com pessoas físicas, e aos poucos vamos nos isolando do mundo. Isso não precisa ser ruim, até você chegar em um bloqueio, ou seu personagem começar a se rebelar e você começar achar que é o pior escritor do mundo.

Por isso eu acredito que é importante não estar sozinho, ter alguém pra quem você pode mandar mensagem dizendo que está tudo ruim e que você nunca mais vai escrever nada, e que vai te mandar respirar fundo e parar de dizer besteira, pode ajudar muito em momentos de crise. Não digo que é fácil encontrar uma pessoa assim, mas é importante tentar, nem que seja alguém que não entende nada de escrita, mas que vai te apoiar e vai aguentar suas crises – por que vamos admitir, elas existem.

2. É difícil ser escritor no Brasil

Essa é sempre a primeira coisa que alguém diz quando você fala que quer ser escritor: É difícil.

Seria ótimo se eu dissesse que é uma mentira e que na verdade é muito fácil, mas todos sabemos que não é. Ganhar dinheiro vendendo livros é difícil, escrever sendo que você trabalha oito horas por dia, é difícil, tentar ter uma vida social e escrever, é difícil. Tudo é difícil!

Mas se colocarmos em perspectiva, que profissão não é? Eu sou formada em psicologia, com pós-graduação, e mal consigo encontrar um emprego, ainda mais um na área e um do qual eu goste.

Então se tudo está difícil, qual o problema em querer ser escritor?

zooey deschanel kit to kill a mockingbird why not mocking bird

3. Não precisa competir ou brigar com coleguinhas

Eu já vi muitos comentários em grupos de escrita no Facebook dizendo o quanto é difícil encontrar um grupo de escrita no qual um não ataque o outro e onde as pessoas se apoiem e se ajudem.

Eu entendo, como eu disse, é difícil querer ser escritor, e é ainda mais desmotivante quando coleguinhas estão se dando bem e a gente não, mas isso é só porque ligamos o sucesso de alguns, ao nosso fracasso, e não é bem verdade. Atualmente existem diversas maneiras de você publicar e divulgar o que você escreve, mesmo sem uma editora, então não podemos mais dizer que não existe “espaço” para todo mundo.

Mas para isso, você vai precisar de conexões, de pessoas que também sejam da área para te apoiar e ajudar na divulgação do seu trabalho, e acredite, você ganha muito mais gente para o seu lado, apoiando essas pessoas tanto quanto você quer que elas te apoiem!

adventure time friendship jake finn fist bump

Além disso, apoiar colegas escritores a melhorarem pode te ajudar a melhorar também. Quem sabe você não faz novas amizades e se cerque de pessoas que se importem com você e que entendem seus surtos e comemorem seus sucessos?

4. Escrever é difícil, se acostume

the simpsons lisa simpson writing writers

Sentar e escrever parece um conceito simples e fácil de seguir, até você começar a fazer.

Assim como qualquer atividade, escrever demanda prática, é preciso começar leve e ir aumentando a carga, persistir mesmo que a Netflix tenha lançado uma nova série. No começo vai parecer que nada mudou, mas então você vai perceber que seu corpo se acostumou a uma rotina envolvendo a escrita, hábitos novos vão surgir e você vai procurar novas formas de facilitar e otimizar sua escrita.

Não digo que vai ficar mais fácil, eu pelo menos nunca vou achar que sentar na frente de uma tela em branco é fácil, mas assim como exercício físico, você fica se sentindo melhor depois que sua um pouco e consegue seu resultado.

5. Sua história importa!

Esse é o tópico mais importante, ao meu ver, um que eu aprendi graças ao NaNoWriMo, (National Novel Writting Month) , e que tem me ajudado muito desde então.

Eu já falei um monte sobre como escrever é difícil, como ter uma renda com a escrita é quase impossível, e como muitas vezes você acaba em seu quarto sozinho chorando por que teve que matar um personagem que você amava. Tudo isso parece o suficiente para você guardar seus lápis, fechar o caderno e ir procurar uma carreira em tecnologia, por que máquinas não vão partir seu coração.

Mas sua história importa.

Só você tem dentro de você essa história, e só você pode conta-la. Você é que faz a sua história ser única e mesmo que Machado de Assim voltasse, ele não escreveria o que só você é capaz de escrever. É seu trabalho e suor que vai fazer seus personagens amarem e sofrerem e que por consequência, vão fazer os leitores amarem e sofrerem também.

Pense em todos os livros que você já leu e que já te fizeram sentir algo, sua história merece fazer parte dessa lista. Então não desista, lute contra o bloqueio criativo, se cerque de pessoas que te façam bem, peça ajuda e colabore com outros, e simplesmente sente e escreva, sua história o espera.

O que mais você aprendeu quando decidiu que seguiria por esse caminho cheio de pedras?
Escreva nos comentários. Ficarei feliz em descobrir.

Você Não Vai Querer Perder o Próximo Post
Venha para a classe VIP da Escola de Escritores. Inscreva-se ao lado; fique por dentro das novidades do Vida de Escritor. Estamos preparando posts cada vez melhores (como esse) para você. Sério! Eu não ficaria de fora.
Também odiamos Spam! Seu e-mail está seguro conosco.

Ana Ferrari é formada em psicologia, e apaixonada por livros. Começou escrevendo fanfics de animes quando adolescente, e redescobriu o amor pela escrita quando começou a criar seus próprios personagens, o que levou a seu primeiro livro Os Guardiões dos Livros e seu blog Ana só Ana. Atualmente mora em São Paulo e possuiu uma pilha constante de livros para ler.

  • leandra suzan

    Ler o post me posicionou na realidade de uma escritora amadora, e os desafios que não podemos nos infectar e criar um muro na caminhada
    Ameii

    • Oi Leandra. Tudo bem? Que legal que conseguiu refletir sobre nossa condição enquanto escritores. Fico muito contente. Te convido a falar uma pouco mais dessas 5 coisas 😉

  • Lidiane Cunha

    Que bom ler esses tipos de textos…uma conversa em tópicos. Cada vez que mergulho em descobrir algo mais sobre ser escritora, minha vontade cresce. É como você disse: Qual profissão não é difícil? Que atuação é fácil demais? …avante o/